terça-feira, 13 de julho de 2010

BREVE DE SANTO ANTÔNIO

BREVE DE SANTO ANTÔNIO

Esta devoção remonta ao século treze. Os documentos mais antigos dão conta pormenorizada do milagre que deu início a ela.

Certa mulher de Lisboa sofria frequentemente de terríveis convulsões que pareciam indicar uma possessão diaólica. Um dia o marido, ridicularizando-a pela sua aflição, atribui-a a alguma culpa. Com isto a infortunada criatura ficou tão cruelmente transtornada, que resolver dar cabo da vida, atirando-se no rio Tejo.

A caminho para a execução da sua terrível resolução, passou por uma Igreja dos Padres Franciscanos.
Lembrou-se que era festa de S. Antônio e entrou para recitar uma última oração. Enquanto rezava caiu numa espécie de "transe". Pareceu-lhe ver o Santo, em pé, junto dela, olhando-a grave e compassivamente e segurando nas mãos um pedaço de pergaminho, que lho entregou, dizendo estas palavras: "Levantai-vos, mulher, e tomai êste papel que vos livrará das vexações do Demônio".
Voltando a si, a pobre mulher pasmou de encontrar nas mãoes o pergaminho. Êste trazia as seguintes palavras do Livro do Apocalipse (V, 5):
"Ecce Crucem Domini: fugite partes adversae! Vincit Leo de tribu Juda, Radix David. Alleluia, Alleluia!".
-Eis aqui a Cruz do Senhor: fugi potências inimigas! O Leão da tribo de Judá, e Raiz de Davi, Venceu. Aleluia, Aleluia"

Calma e sperançosa, a mulher voltou para casa e dêsse dia em diante, enquanto conservou consigo o precioso documento, nunca mais foi molestada pelo Demônio.

O marido na sua gratidão pelo favor recebido, publicou-o por toda a parte. A história chegou aos ouvidos do Rei de Portugal. Êste mandou vir à sua presença a mulher e ficou tão impressionado com a ocorrência, que a induziu a lhe ceder o pergaminho.
Privada do pergaminho, a mulher ficou sujeita à sua antiga aflição. Com grande pesar o marido apelou para os Frades Menores, a fim de intercederem junto ao Monarca em favor da restituição do precioso documento. Apesar de todos os esforços, os Franciscanos sòmente conseguiram uma cópia, que, entretanto, se verificou ter a mesma eficácia que o original.

Vendo a eficácia do BREVE, os Franciscanos propagaram-lhe o uso, exortando os fiéis a tê-lo sempre consigo, como uma proteção contra todos os perigos e, principalmente, contra os assaltos do Demônio.

Logo êle se tornou conhecido e venerado em todos os países católicos.
(DO LIVRO "SANTO ANTÔNIO")

Cristão, deante do sentido profundo e do valor do Breve de S. Antônio, procura recitá-lo seguidamente e com piedade, sobretudo nas horas de dificuldades e nas tentações mais fortes e êle te servirá de confôrto, pois Santo antônio não abandona ninguém que recorre a êle com confiança.

"EIS AQUI A CRUZ DO SENHOR: FUGI POTÊNCIAS INIMIGAS, O LEÃO DA TRIBO DE JUDÁ, A RAIZ DE DAVI VENCEU!   ALELUIA!   ALELUIA!
IMPRIMATUR
Caxias do Sul, 15-5-1953.

Obs.: O texto foi transcrito "Ipsis verbis".